Drogas não são brincadeira de criança

Por Raissa Carolina Fonseca Cândido

         Em 2006, a Organização das Nações Unidas produziu uma cartilha sob o título: “Drogas não são brincadeira de criança” destacando o importante papel que família e escola desempenham na prevenção do uso de drogas ilícitas por menores de 15 anos.

                        Hoje, utilizando deste mesmo título escrevo também sobre o uso de drogas por crianças e adolescentes, porém considerando a seguinte perspectiva: até que ponto família e escola têm participação na medicalização infantil, originando um consumo exagerado de drogas lícitas por estes indivíduos?

              O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma síndrome caracterizada por distração, agitação/hiperatividade, impulsividade, desorganização entre outros sintomas¹ e para Nádia Mara Eidt, “No contexto escolar, a hiperatividade e/ou déficit de atenção apresenta-se como justificativa corrente para o fracasso escolar de um número expressivo de crianças, atribuindo-se a elas a responsabilidade por não aprender e isentando de análise o contexto escolar e social em que estão inseridas”².

Segundo pôster apresentado no 3º Congresso Mundial de TDAH por pesquisadores do Instituto Glia de Pesquisa em Neurociências, USP, Unicamp e o Albert Einstein College of Medicine (EUA), 75% das crianças e adolescentes que usam medicação para o tratamento de TDAH no Brasil tiveram diagnóstico incorreto³.

De acordo com este trabalho, apenas 23,7% das 459 crianças diagnosticadas com TDAH realmente tinham o transtorno e das 128 crianças que faziam uso de Ritalina® para tratá-lo somente 27,3% sofriam com a doença³. Dados estes que se tornam ainda mais alarmantes já que o Brasil é apontado como o segundo maior consumidor de Ritalina® no mundo¹.

         O estudo que deu origem ao pôster já citado ainda não foi publicado, contudo de acordo com Prof. Dr. Marco Antônio Arruda, um dos autores do trabalho, “o estudo mostra que a realidade brasileira é de subdiagnóstico e subtratamento do TDAH. Sendo que o excesso de diagnósticos e de tratamento com psicoestimulantes ocorre principalmente nas classes A e B, que não são predominantes no nosso país”.

         Sendo assim, é preciso rever o diagnóstico e o tratamento de transtornos como o TDAH e repensar o papel do medicamento nestes tratamentos, considerando que conforme dito pela médica e pesquisadora da Unicamp, Maria Apparecida Moysés “As mudanças que aconteceram na história da humanidade foram pelos questionamentos, sonhos e utopias. Ao medicalizar, estamos abortando um futuro diferente, sem criatividade.”

Referências:

¹ Instituto Paulista de Déficit de Atenção. Acessado em: 27/01/2012. Disponível em: http://www.dda-deficitdeatencao.com.br/tdah/

² Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade e psicologia histórico-social. Nádia Mara Eidit. Acessado em 27/01/2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v40n139/v40n139a07.pdf

³ Are Psychostimulants Overprescribed in Brazilian school-aged children? Marco A. Arruda, Maria Valeriana Moura-Ribeiro , José Hércules Golfeto , Marcelo E. Bigal, Guilherme V. Polanczyk.

(Texto extraído do V.8, n°1 do Boletim publicado em 31/10/11)*.

*As matérias deste número ainda não foram postadas no Blog, em breve vocês poderão ler todo o conteúdo deste nº por aqui.
Anúncios

4 pensamentos sobre “Drogas não são brincadeira de criança

  1. A situação do uso abusivo do metilfenidato reflete o fenômeno em que vivemos atualmente, o da medicalização da sociedade. O ser humano deixou de ter sentimentos como inquietação, tristeza, angústia e passou a ter diagnósticos médicos com seus respectivos tratamentos. Acredito que isto reflete o imediatismo da vida moderna. Creio que devemos refletir sobre até que ponto podemos evitar um sofrimento ou inadequação social ou aceitá-los como parte da natureza humana e do crescimento pessoal.

    • Marina: imagine o quem seria hoje van Gogh se vivesse em uma época de inibibidores de recaptação de serotonina, ou crescesse tomando ritalina? Não podemos, óbvio, cair no erro de defender o sofrimento, mas concordamos com você que sofrer faz parte de ser feliz. Como diria o Djavan: ‘amar é quase uma dor’!

  2. Muito importante que questionemos o uso desse tipo de medicamento, principalmente em crianças. A ciência existe para que o homem viva melhor, não para que ele tenha uma ilusão de melhora. Parabéns pelo texto. Pertinente e bem embasado.

    • Obrigado, Andreza. Nosso objetivo é desenvolver nossa consciência coletiva sobre a forma que usamos um instrumento tão bom e poderoso, mas tão afeito a usos indevidos e tão próximo à ganância que move os homens. Medicar criança não é brincadeira de criança, e tampouco coisa para pessoas com baixo nível de consciência social, antropológica, e moral mesmo, pois tudo de ruim ou pouco pensado que fazemos às crianças é, no mínimo, covardia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s