Nova Molécula pode Revolucionar o Tratamento de Doenças Neurodegenerativas

por Vívian Thaise da Silveira Anício

Os mecanismos moleculares de doenças letais e incapacitantes como Huntington e Alzheimer permanecem obscuros para a ciência. No entanto, sabe-se que determinados metabólitos endógenos produzidos por uma das vias de degradação do aminoácido essencial triptofano desempenham importante papel em tais desordens por ativarem mecanismos de disfunção e mortes neuronais.

Na pesquisa publicada pela CELL1, a equipe liderada por J. Muchowski no Instituto Gladstone de Doenças Neurológicas2, descreveu a síntese e caracterização do pró-fármaco JM6, inibidor de longa duração da quinurenina 3-monoxigenase (KMO), enzima fundamental na produção de metabólitos neurotóxicos produzidos pela via da quinurenina, principal rota do metabolismo do triptofano em mamíferos.

No referido estudo, demonstrou-se que apesar de surpreendentemente não atravessar a barreira hematoencefálica, a JM6 protege ratos e camundongos transgênicos dos efeitos excitotóxicos de metabólitos endógenos como o Ácido Quinolínico (AQ), comumente encontrado em altas concentrações cerebrais tanto em modelos animais que mimetizam as doenças de Huntington e Alzheimer quanto em humanos portadores de tais patologias. Diversas evidências apontam que o AQ tem ação agonista nos receptores neuronais N-metil-D-aspartato, ou NMDA, promovendo excessiva estimulação que desencadeia elevação patológica de cálcio intracelular, dano mitocondrial e stress oxidativo.

Mediante a administração oral crônica de JM6 em roedores, observou-se dois efeitos: impedimento de cascatas celulares que levam à produção do AQ e aumento dos níveis cerebrais do neuroprotetor ácido cinurênico. Testes comportamentais e bioquímicos demonstraram que o uso crônico da JM6 extende o tempo de vida, diminui ativação da micróglia e melhora a coordenação motora em modelos animais da Doença de Huntington, além de prevenir déficits na memória espacial e comportamentos relacionados à ansiedade em modelos animais da Doença de Alzheimer, sendo também responsável pela prevenção de perda sináptica em ambos os modelos animais.Estes achados demonstram que o JM6 possui grande potencial de modulador da neurotransmissão, do sistema imune periférico, das funções mitocondriais e de diversos processos excitotóxicos no SNC.

Muchowski e colaboradores se preparam para a Fase I do ensaio clínico, com possibilidade do início dos testes de segurança e toxicidade do fármaco em humanos em 20133, o que nos leva a pensarmos na JM6 enquanto um pró-fármaco com grande potencial futuro para revolucionar o tratamento de doenças neurodegenerativas.

Referências:

1-Cell Journal, volume 145, edição 6, junho 2011, páginas 863-874. Kynurenine 3-Monooxygenase Inhibition in Blood Ameliorates Neurodegeneration. Acesso em agosto/setembro

2012:http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0092867411005812#

2- Gladstone Institutes/Science Overcoming Disease. Acesso em setembro de 2012:http://gladstoneinstitutes.org/scientist/muchowski

3-Alzheimers Disease Research. A New Hope: Oral Slow-Release Compound Protects Mice From Neurodegenerative Damage. Acesso em setembro de 2012: http://www.ahaf.org/alzheimers/newsupdates/novel-prodrug-alleviates.html

(Texto extraído do V.9 nº3 do “Boletim Atrás da Estante”)

Ministério da Saúde investe em projetos de melhoria das condições de trabalho no Sistema Único de Saúde

Por Thais Tunes Santos

Com o intuito de melhorar as condições dos profissionais do SUS, o governo federal investirá R$ 29 milhões em projetos com temas nas seguintes áreas: I – planos de carreira, cargos e salários no âmbito do SUS, de acordo com as diretrizes da Mesa Nacional de Negociação Permanente do SUS (MNNP-SUS); II – desprecarização do trabalho – propostas para ampliação da proteção social e formalização dos vínculos de trabalho dos trabalhadores do SUS.1

 Após avaliação de membros do Ministério da Saúde, do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), serão selecionados até dez projetos. Desses, três projetos de planos de carreira, cargos e salários de abrangência intermunicipal e/ou regional receberão incentivo de R$ 5 milhões e sete propostas de desprecarização do trabalho receberão até R$ 2 milhões. Além disso, os projetos vencedores receberão apoio e acompanhamento do Ministério da Saúde. Os gestores do SUS têm até dia 30 de novembro para inscrever propostas inovadoras que se enquadrem nos temas indicados pelo governo.2

Referências

1.Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Carreira e desprecarização.  Dos incentivos financeiros [internet]. Brasília; 2012. [acesso em 2012 nov 15]. Disponível em:http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1871
2. Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Governo quer melhorar condições de trabalho no SUS [Internet]. Brasília; 2012. [acesso em 2012 nov 15]. Disponível em:http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/8146/162/governo-quer-melhorar-condicoes-de-trabalho-no-sus.html